Quem foi Vygotsky?

Lev Semyonovich Vygotsky foi um psicólogo Russo, com foco principal na Psicologia cultural-histórica e foi pioneiro no conceito de que o desenvolvimento intelectual das crianças ocorre em função das interações sociais e condições de vida.

Vygotsky nasceu  em 17 de novembro de 1896 e morreu, devido a uma tuberculose, em 11 de junho de 1934, aos 37 anos. Seu nome só começou a ser conhecido nos meios acadêmicos ocidentais muitos anos após sua morte.

Além da formação em Psicologia, Vygotsky também foi formado em Direito, História e Filosofia. Sua abordagem enfatiza, como pontos principais, o papel da linguagem e do processo histórico social no desenvolvimento do indivíduo e a aquisição de conhecimentos pela interação do sujeito com o meio.

Qual foi a contribuição dos estudos de Vygotsky para a Educação?

Os estudos de Lev Vygotsky levaram-no à concluir que o sujeito não é apenas ativo, mas também interativo, pois adquire conhecimentos a partir de relações intra e interpessoais. Ou seja, o conhecimento e as funções sociais são assimiladas na troca com os outros indivíduos. Portanto, o professor tem o papel de interferir nos processos e provocar avanços nos alunos, criando o que Vygotsky chamava de zonas de desenvolvimento proximal.

A zona de desenvolvimento proximal é a distância entre o nível de desenvolvimento real ou potencial, ou seja:

  • Real: aquilo que a criança já faz sozinha e o que ela é capaz de fazer com a intervenção do outro;
  • Potencial: o que a criança ainda não aprendeu, mas tem potencialidade para aprender (porém, a potencialidade não é a mesma para todas as pessoas).

Segundo Vygotsky, o aluno não é apenas sujeito da aprendizagem individual, mas também aquele que aprende com o outro aquilo que seu grupo social produz, já que seu desenvolvimento cognitivo se dá por meio da interação social, ou seja, de sua interação com outros indivíduos e com o meio. Para que esta interação aconteça, é necessário, no mínimo, duas pessoas envolvidas ativamente na troca de experiências e ideias.

Considerando isto, é válido afirmar que a aprendizagem é uma experiência social, mediada pela utilização de instrumentos que facilitem a interação e símbolos (ou signos) que gerem algum significado para o indivíduo (como a linguagem falada e a escrita), ou seja, mediada pela interação entre a linguagem e a ação. A interação entre os indivíduos possibilita a geração de novos conhecimentos e experiências.

Para ocorrer a aprendizagem, a interação social deve acontecer dentro da zona de desenvolvimento proximal, que, como já foi dito anteriormente, seria a distância existente entre aquilo que o sujeito já sabe (seu conhecimento real) e aquilo que o sujeito possui potencialidade para aprender (seu conhecimento potencial). Dessa forma, a aprendizagem ocorre no intervalo da Zona de Desenvolvimento Proximal, onde o conhecimento real é aquele que o sujeito é capaz de aplicar sozinho, e o potencial é aquele que ele necessita do auxílio de outros para aplicar.

Portanto, o professor deve mediar a aprendizagem utilizando estratégias que levem o aluno a tornar-se independente e estimule o conhecimento potencial, de modo a criar uma nova Zona de Desenvolvimento Proximal a todo momento. Isto pode ser feito estimulando o trabalho com grupos e utilizando técnicas para motivar, facilitar a aprendizagem e diminuir a sensação de solidão do aluno. Porém, o professor também deve estar atento para permitir que este aluno construa seu conhecimento em grupo com participação ativa e a cooperação de todos os envolvidos

Escola Sá Pereira

Sendo assim, é válido ressaltar a importância da orientação do educador ao possibilitar a criação de ambientes de participação, colaboração e constantes desafios.

Considerando a psicologia sócio histórica de Vygotsky, entende-se que as pessoas estão situadas no tempo e espaço, e inseridas num contexto histórico que abrange o social, econômico, cultural e político. Ao nascer, possuímos apenas as funções psíquicas elementares que, por meio da aprendizagem cultural, promove a formação e o desenvolvimento das funções psíquicas superiores, que necessitam da interiorização mediada pela cultura juntamente com seus valores e significados. São estas funções que nos diferenciam dos animais, e, entre elas, que se encontram a consciência e o discernimento.

Tudo o que se aprende não fica meramente memorizado ou absorvido, mas passa pela elaboração individual e particular de cada um por meio da linguagem que faz a mediação do conhecimento e favorece a elaboração e o desenvolvimento individual. É através da reflexão constante e do diálogo com o outro que percebemos as possibilidades e distinção do conhecimento de cada um.

O vídeo a seguir reforça o que foi dito neste artigo de maneira clara e objetiva. Vale a pena assistir para obter melhor entendimento sobre o assunto:

Espero que este artigo tenha sido útil para você!  🙂

E-mail | Facebook | Google + | Pinterest

 

pinit fg en rect red 28 - Quem foi Vygotsky e qual a sua contribuição para a Educação?

One thought on “Quem foi Vygotsky e qual a sua contribuição para a Educação?”

Deixe seu comentário!