Você conhece a série Atypical da Netflix? Para quem não conhece, a série foca na vida de um jovem com Autismo e em sua família. É bastante interessante e já está na segunda temporada, com previsão de estreia da terceira entre os meses  de agosto e setembro de 2019.

Vale lembrar que, se você se interessa por filmes e séries que abordam este tema, não pode deixar de conferir o artigo onde falo de  21 filmes sobre Autismo

21 Filmes sobre Autismo que você precisa assistir

1ª Temporada

Diretor: Robia Rashid

País: EUA

Ano: 2017

Episódios: 8

Gênero: Comédia, Família e Drama

Sinopse: Quando um adolescente com traços de autismo resolve arrumar uma namorada,
 sua busca por independência coloca a família toda em uma aventura de autodescoberta.

É maravilhoso saber que as pessoas estão dando mais visibilidade às diferenças e que estão se abrindo mais a entender o Autismo. A série Atypical veio para confirmar isso, conquistando centenas de pessoas. Assista ao trailer da primeira temporada:

Sam (Keir Gilchrist)  é um jovem de 18 anos, diagnosticado com autismo, que possui uma grande paixão por pinguins e domina tudo relacionado a estes animais, além de ser muito talentoso para desenhar. Em uma sessão de terapia, expressa seu desejo por ter uma namorada e é aconselhado pela sua terapeuta, Julia, a seguir em frente com este objetivo. Focando nisso, Sam começa a procurar maneiras de entender o  amor, porém, quanto mais ele aprende sobre o assunto, percebe o quão confuso e complicado o amor é.

As coisa ficam mais complicadas quando Sam se apaixona por sua terapeuta Julia, que além de ser mais velha, está namorando. Seguindo o conselho de seu pai e do seu melhor amigo Zahid (Nik Dodani), Sam decide arrumar uma namorada provisória até ter experiência para conquistar Julia. Isto faz com que ele passe por novas experiências e aprenda mais sobre as pessoas.

2ª Temporada

Diretor: Robia Rashid

País: EUA

Ano: 2018

Episódios: 10

Gênero: Comédia, Família e Drama

Sinopse: Sam segue em sua jornada de redescoberta pessoal e se envolve 
num triângulo amoroso com Bailey Bennet e Paige. 
Elsa tenta salvar seu casamento e se reconectar com os filhos. 
Já Casey continua namorando Evan, mas grandes mudanças acontecem quando 
ela muda de colégio e faz novos amigos.

Esta segunda temporada continua aprofundando com excelência o núcleo principal, porém, saiu da zona de conforto e abordou assuntos mais complicados que aconteceram na família de Sam, assim como também acontecem em várias famílias reais. A irmã mais nova de Sam, Casey (Brigette Lundy-Paine), começa a lidar com uma nova fase da vida em sua nova escola. Dividida entre ser aceita e ser ela mesma, seu relacionamento com Evan (Graham Rogers) começa a ser afetado. O pai e a mãe de Sam e Casey entram em um enorme conflito por causa de uma traição e a família, que antes parecia ser bem forte e sólida, começa a desmoronar.

Esta temporada de 2018 também focou um pouco mais no cenário de bullying e preconceito enfrentado por Sam, mostrando a realidade de diversas pessoas com Transtornos do Espectro Autista (TEA).

O Autismo retratado na série

Atypical fez um bom papel retratando o autismo na trama. Infelizmente, ainda existem pessoas que usam a palavra “autista” como um adjetivo pejorativo e por vezes acabam agindo de forma cruel com pessoas com TEA, por conta da falta de conhecimento. A série exemplifica bem estas questões preconceituosas e o quanto a sociedade ainda precisa aprender sobre o Autismo.

Sam era tido como o “esquisito do colégio”, o aluno anormal e, mesmo que não demonstrasse ligar para a chacota alheia, isso o afetava bastante.

O ator que fez o papel de Sam, merece os créditos por ter dado um toque mais realista ao personagem, atribuindo, com bastante primor, características muito comuns em pessoas com autismo, como sensibilidade à luz, ruídos, dificuldade em perceber e assimilar expressões e sentimentos das pessoas.

A trama também foca em como a família se molda para se adaptar as necessidades de Sam. Doug (Michael Rapaport), o pai de Sam, a princípio não consegue se relacionar direito com o filho e a série revela como a aproximação entre eles foi acontecendo. Doug torna-se o típico paizão que faz de tudo pelos filhos.

Quanto à mãe de Sam, Elsa (Jennifer Jason Leigh), que durante muito tempo esqueceu dela mesma para se dedicar ao filho, passa a viver um grande dilema amoroso que fez com que ela se sentisse mulher novamente e não somente mãe. Apesar de ter provocado um transtorno na família, Elsa é uma mãe dedicada e faz de tudo para ajudar seu filho. Porém, o fato de ser super-protetora dificulta na hora de deixar que seu filho adquira autonomia para seguir com sua vida.

Casey, a irmã de Sam, é uma ótima personagem que, embora seja a irmã mais nova, teve que amadurecer rápido para cuidar do irmão na escola. Acaba adquirindo a fama de “valentona” por superproteger seu irmão. Seu senso de justiça fez com que defendesse a irmã de Evan e conquistasse o interesse do rapaz. Casey é atleta e tem o objetivo de ir longe com o atletismo, porém, ao conseguir uma bolsa para estudar em uma escola melhor, muita coisa acaba mudando.

Conclusão

Atypical é uma série bem humorada, de essência leve – mas nunca rasa – que mostra a vida de um jovem com autismo e como esse transtorno é visto pela sociedade. O roteiro é bem escrito e é claro que a maneira peculiar com a qual os personagens com Autismo retratados na série pensam sempre flerta com o humor, mas o texto se preocupa em não fazer disso um motivo para piada e o riso vem como consequência dessa sagacidade. Talvez esta seja a maior qualidade da série.

Tanto na maneira desconstruída com a qual as impressões de Sam se baseiam, quanto no equilíbrio delicado entre o drama e a comédia, Atypical não levanta somente questões sobre o Autismo, já que absolutamente tudo sobre esta série  pode ser considerado atípico.

A proximidade humana cada vez mais efetiva, me fez ter a certeza de que continuarei acompanhando as próximas temporadas, e, certamente retorna rei com mais resenhas positivas, como esta. Recomendo!

 

E-mail | Facebook | Google + | Pinterest

pinit fg en rect red 28 - [Resenha] Atypical - 1ª e 2ª temporadas

4 thoughts on “[Resenha] Atypical – 1ª e 2ª temporadas”

  1. Oi,tudo bem?

    Eu amei esse post pois Atypical foi uma das séries que amei conhecer e acompanhei ambas as temporadas lançadas. Ela contém uma temática importante e aborda ela de uma forma tão bonita e bem trabalhada que não tem como não compreender ou se apegar aos personagens, que por sinal são bastante cativantes…além é claro de manter seu toque engraçado em cada episodio e saber deixar a trama leve .

  2. Olá
    Gosto muito dessa série, a forma como ela lida com o autismo é excelente, é tão importante retratar o transtorno de forma justa e acredito que Atypical faz muito bem isso, ótimo post!

Deixe seu comentário!