O “Dia do Psicopedagogo” foi instituído pela ABPp- Associação Brasileira de Psicopedagogia, na gestão de Nívea Maria de Carvalho Fabrício, em reunião do Conselho Nacional realizada no Colégio Graphein, em São Paulo.

A escolha do dia 12 de novembro se deu para relembrar a fundação da Associação Brasileira de Psicopedagogia de São Paulo, primeira entidade a congregar estes profissionais no país.

ABPp é uma associação de direito privado, de âmbito nacional, sem fins lucrativos e econômicos, de caráter técnico, científico e social, com atividade preponderante no exercício da psicopedagogia. Fundada em 12 de novembro de 1980, a ABPp agrega psicopedagogos brasileiros com a finalidade de propiciar-lhes o desenvolvimento, a divulgação e o aprimoramento desta área do conhecimento. (ABPp, 2018)

O objetivo inicial do “Dia do Psicopedagogo” foi o de divulgar a Psicopedagogia junto ao público em geral, colaborando para ampliar o alcance deste trabalho em todas as classes sociais.  Por isso, hoje, no Brasil, são comemoradas as conquistas efetivadas pelos psicopedagogos, que são profissionais que se dedicam a estudar e a atuar sobre o processo de aprendizagem humana.

Mas o que o Psicopedagogo faz, afinal?

O psicopedagogo é o profissional que estuda os processos de aprendizagem de crianças, adolescentes e adultos. Ele identifica as dificuldades e os transtornos que interferem na assimilação do conteúdo, usando os conhecimentos da psicologia e da antropologia para analisar o comportamento do paciente. Este profissional também é capaz de promover intervenções em caso de fracasso ou de evasão escolar.

O psicopedagogo pode atuar em clínicas, escolas e outras instituições. Seu material de trabalho é bastante vasto: Jogos, contos, desenhos, pintura, atividades para leitura, escrita, memória, atenção, etc. Também há os que trabalhem com a orientação educacional ou profissional.

O psicopedagogo também auxilia alguns adultos que possuem dificuldades na vida profissional e não conseguem evoluir na carreira, usando técnicas e estratégias que os auxiliem na vida diária.

É um trabalho muito bonito que envolve escuta, observação, cuidado com o outro, além de ser um exercício constante aprendizagem.

Qual a diferença entre o Psicopedagogo Clínico e o Psicopedagogo Institucional?

Uma dúvida muito recorrente é sobre a diferença entre Psicopedagogia Clínica e a Psicopedagogia Institucional. O psicopedagogo pode ser formado para atuar na área clínica, ou na área institucional, ou pode ser habilitado para atuar nas duas áreas e as diferenças são:

Psicopedagogo clínico – trabalha em consultório atendendo crianças, jovens ou adultos, com dificuldades de aprendizagem, tendo a parceria de outros profissionais (Pediatra, Neuropediatra, Fonoaudiólogo, Psicólogo, Psicomotricista, dentre outros) para o caso de haver necessidade de encaminhamento. Neste caso, o profissional atua em uma linha terapêutica, onde diagnostica, desenvolve técnicas remediativas e orienta pais e professores de forma que seu trabalho seja integrado e não individual.

Psicopedagogo institucional – dá assistência aos professores e a outros profissionais da instituição escolar para melhoria das condições do processo de ensino-aprendizagem, assim como para prevenção dos problemas de aprendizagem. Utilizando de técnicas e métodos próprios, possibilita a intervenção Psicopedagógica visando à solução de problemas de aprendizagem em espaços institucionais. Juntamente com toda a equipe escolar, procura construir um espaço adequado às condições de aprendizagem e consequentemente evitando comprometimentos.

Formação e Mercado de Trabalho

O Senado aprovou em 2014 a regulamentação da profissão de psicopedagogo, mas até agosto de 2017 a lei ainda aguardava sanção da Presidência da República. Pela lei, a profissão poderá ser exercida por graduados em psicopedagogia ( a duração média do curso é de 3 anos e 6 meses) e também por quem tem diploma em Psicologia, Pedagogia ou uma licenciatura, que tenha feito curso de especialização (Pós-graduação Lato Sensu) em Psicopedagogia, com duração mínima de 600 horas e 80% da carga horária dedicada a essa área.

É uma profissão consideravelmente nova no Brasil e sua maior demanda para esta atuação é na área clínica. Ele pode atuar como autônomo, em consultório próprio, ou em instituições de ensino, interessadas em aperfeiçoar os processos de aprendizagem. Os principais empregadores são escolashospitais e clínicas de psicologia. A regulamentação da profissão dá a possibilidade também de incluir esse tipo de tratamento em planos de saúde.

Há vagas também em empresas, no treinamento de funcionários. Como a legislação brasileira determina que 5% dos postos de trabalho em grandes corporações sejam preenchidos por deficientes, o profissional é procurado para orientar e auxiliar na contratação e adaptação dessas pessoas.

Ele pode ainda, participar de equipes multidisciplinares nas varas de família e de infância. A aprovação da Lei Menino Bernardo, a Lei da Palmada, abriu espaço para o profissional em instituições jurídicas, na identificação dos possíveis transtornos que uma criança esteja sofrendo no âmbito familiar. Há oportunidades também em centros comunitárioscentros socioeducativos e ONGs.

 

O símbolo da Psicopedagogia e o seu significado

Criado em 2009, o símbolo da Psicopedagogia foi inspirado na simbologia da Fita de Möbius. A Fita de Möbius, com 3 voltas, representa o olhar do Psicopedagogo. As voltas estão dispostas de forma a representar a aprendizagem do indivíduo. O círculo central representa o indivíduo em processo para a aquisição de conhecimento, chegando ao fim com mudanças perceptíveis (círculo vermelho).

 

Feliz dia dos Psicopedagogos!

Quando aprender é tão difícil e o medo de errar persiste em ficar, são vocês quem se dispõem a ajudar, com afeto e compreensão no olhar, mostrando que tudo é possível e que aprender é para todos.

Os mais sinceros parabéns aos meus colegas Psicopedagogos! 

 

E-mail Facebook | Google + | Pinterest

pinit fg en rect red 28 - 12 de Novembro: Dia do Psicopedagogo

Deixe seu comentário!